domingo, 6 de julho de 2008

Luxúria


Você é a luxúria que me sufoca
Você é um sufoco no céu da boca
Eu sou o imperador de suas costas
Eu te guio na dança louca

Eu a controlo pelos cabelos
Prefiro que você esteja em minha frente
Adoro a balbúrdia, os desmazelos
Prefiro assim mesmo, insano, demente

A tempestade no furacão
O sexo sem nexo, a paixão
A fúria lasciva, a opressão
Os corpos fazendo pressão

Não sinto nada que não o desatino
Não vejo nada que não o momento
Da sua boca só quero o absinto
Em sua boca só quero estar dentro

De joelhos pra mim, clemente
Descontrolada no afã, infante
Sorve o néctar da fonte à frente
Engole a essência de seu amante

Quero que proves do mel sagrado
Quero o cálice de teu sangue
Quero algo jamais provado
Mesmo que esse algo derrame

Vou desvendar cada curva tua
Destroçar todos os seus sentidos
Na noite turva, na rua, nua
Não conterá mais os seus gritos

Enfim chega o fim
Com torpor que assombra
Esperarei-te bem ali
Na próxima sombra

(***)

2 comentários:

Karina Guedes disse...

perdi horas numa madrugada fria lendo e relendo suas obras de arte...
que ao meu ver é uma das mais belas formas de expressão da arte, A arte escrita, A arte de pensar...
que vc a desenvolve muito bem...
Perdi horas...?
Naum...
Ganhei muitas horas de leitura agradável....de conhecimento...
e este texto em particular -luxúria- é ... realmente fantástico... A descrição dos detalhes provocam os sentidos....

Ganhou uma leitora assídua...

=]
;*

Alessandro Vargas disse...

Olá Karina, com certeza esse comentário seu foi um dos mais motivadores que já recebi. Fico muito feliz que tenha tido essa observação e dispendido esse tempo para tanto, desta forma sei posso continuar dando o máximo de mim, para que meus textos transmitam o que sinto e penso de verdade. O vivencial. O cotidiano. As emoções. Muito Obrigado...