quinta-feira, 14 de julho de 2011

"Nem sempre estamos à altura daquilo que somos"


Nem sempre estamos à altura daquilo que somos
Nem sempre homens, nem sempre humanos
Nem sempre metas, nem sempre planos.

E às vezes a beleza desgasta mais que enfeita
Ora devasta, ora perfeita
Ora devassa, agora deleita.

E a vida se trata que nem prostituta
Quando paga, se deita
Se vacila, te expulsa.

E o que tenho por ela é bem mais que ojeriza
É horror, é aversão
Mas diversão se precisa.

E quando penso na vida, é que nem meretriz
Parece uma louca, se finge de atriz
E é por um triz, como sempre se quis.


*

4 comentários:

Elo disse...

Gostei mto, como todas as poesias que escreve,,,sempre surpreendendo em td.
Bjsss

Anônimo disse...

Pleasant Post. This record helped me in my university assignment. Thanks Alot

Alessandro Vargas disse...

Whenever you need will be welcomed... thanks...

Jayne Chagas disse...

Nossa linda de mais!! Como todas as outras poesias.. amei beijoos'