sábado, 28 de novembro de 2009

A Fonte (Metade de Mim)


O amor é clichê
Quem pintou os lábios teus?
Quem desenhou as tuas curvas?
Será obra de algum Deus?

Como são quentes suas coxas
Que me envolvem em noites frias
E são decentes essas moças
Na minha mente fantasias.

Sei do amor suave e intempestivo
Por isso vivo tenro e inflamado
Se penso em ti sinto lascivo
Se vivo em ti sei que amado.

Quero habitar a sua boca
Residir na sua carne
Desvendar a pele louca
Roubar-te até mais tarde.

Alimentar-te, seduzir
Engravidar-te de desejos
Sublimar, abduzir
Suforcar-te nos meus beijos.

Venha à minha fonte e beba
Sacie a vontade enfim
Peça, implore e receba
Quem sabe a metade de mim.

3 comentários:

Alessandra Chaves da Silva disse...

Não saberei dizer ao certo, mas esse é um dos melhores!!

Anônimo disse...

Merci d'avoir un blog interessant

Anônimo disse...

I wish your web page could fit a large amount better on my cell phone . I expect that you may well deal vith this concern when you get a chance.

As a final note , allow me thank you for your tolerance with my English as (I am convinced you have become aware this by now,), English is not my head tongue thus I am using Google Translate to build out how to write what I sincerely want to state.