domingo, 15 de março de 2009

As Flechas


Eu sou o que eu fiz
Posso não ser o que eu quis
Mas ainda a construção.

Sempre fiz o que bem quis
E acredite sou feliz
Mesmo que agora não.

São tantos labirintos
Sinto-me um tanto esquisito
Esqueci de deixar migalhas...

Falam de mim tantos mitos
Em alguns até acredito
Mas quem não comete falhas?

Acho que fiz escolhas erradas
Mas não acredito em fim da estrada
Sempre existe uma porta entreaberta.

As palavras foram atiradas
As flechas já foram lançadas
Agora é esperar e ver em quem acerta.

2 comentários:

Mariza Resplandes disse...

Flechas mudam de direção com facilidade, a todo o tempo, por causa do vento.

Alessandro Vargas disse...

É com isso que jogo.

Beijos. Te adoro Mariza.