quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Confissão e Beijos


Hoje poderia te amar completamente, fielmente, sem me enganar;
Poderia beijar-te sem culpa, sem medo,
Deixar o amor transbordar, aquecer, chegar a causar dor, quando as duas almas fugirem do corpo num beijo libertador.

Em minutos poderíamos chorar, se entregar aos beijos com ardor, com o afã de amar e enfim dormir, acordar com o amor, pulsar como as veias do corpo com a missão de levar o sangue efervescente e apaixonado a impulsionar o coração dos dois.

Trêmulo será quando encontrar a sua mão na escuridão da noite, estremecer, empalidecer de emoção, no verdadeiro sentimento onde não há segunda intenção.

Sinta o vento tocar seus cabelos, acariciar sua face, invadir seu corpo em um só respirar. Assim é meu sentimento, puro, abstrato, singular.

2 comentários:

Diego Rivera disse...

Não é que encontrou Diego Rivera no orkut?

Paz e sorte, poeta. :)

Alessandro Vargas disse...

Não sei.
Encontrei...
Me avise por favor, rsrrss